domingo, 2 de outubro de 2011

ORAÇÃO SACERDOTAL DE JESUS




A ORAÇÃO 


SACERDOTAL 








DE JESUS








Até aqui Jesus vinha falando com os seus discípulos, porém agora ele começa a falar com o Pai, por meio da oração. Nós aqui o vemos intercedendo pelos discípulos e pelos crentes. Ele é o nosso advogado e intercessor. Ele está orando pelos seus discípulos, e é isto que Jesus ainda faz pelos crentes em todos os tempos. Esta oração é diferente daquela que ele ensinou os seus discípulos, a oração do Pai Nosso, encontramos oração pedindo perdão dos pecados, e Jesus não podia fazer esta oração, ele não tem pecado. Ele não tem dívidas a confessar.
A verdadeira oração do Senhor é esta de João 17, e não Mateus 6. Foi aqui que Jesus orou verdadeiramente ao Pai. É a oração mais longa de toda a Bíblia. Este é o pico do Evangelho.
Muitos chamam a oração do Pai Nosso, de a oração do Senhor. Mais a verdadeira oração do Senhor, é esta aqui de João 17. Porque foi aqui quando Jesus orou verdadeiramente ao Pai.
É a oração mais longa de toda a Bíblia. Todos os grandes comentadores da Bíblia consideram o capítulo 17 de João como sendo o ponto mais alto deste Evangelho.
Aqui Jesus Cristo, falando com o Pai, intercedendo a favor dos crentes de todos os tempos. Ele ora em favor dos crentes em favor dele, em favor da igreja.
O evangelho de João como tem notado vem crescendo de importância. Cada capítulo que se alcança, é superior ao anterior. Porém este Evangelho chega ao seu cume exatamente aqui no capitulo 17. É o topo da belíssima montanha que é o Evangelho de João.
Para alguns homens santos de Deus, esta oração  é o que há de mais precioso em toda a literatura do mundo. É o filho de Deus, o nosso Sumo Sacerdote, juá orando em benefício da igreja e do povo redimido.
E é assim intercedendo pela sua igreja, que Jesus Cristo ainda está e continuará sempre orando em favor dos teus aqueles a quem ele comprou com o seu sangue.
Tem sido esta oração um grande conforto em todos os corações em todos os tempos.
Nós sabemos que Jesus viveu aqui na terra, uma vida de oração. Ele orou sempre. Nós o encontramos orando no início do seu ministério, orando no deserto.
Quantas orações não subiram ao Pai durante aqueles 40 dias e 40 noites lá no deserto, para onde foi, sendo conduzido pelo Espírito Santo, e onde foi tentado por Satanás.
Vamos encontrá-lo várias vezes orando sozinho, num lugar a parte ou orando com os seus discípulos.
Quando foi para escolher os seus 12 apóstolos. Jesus passou uma noite toda em oração.
Vemo-lo no Getsemani quando sua a gotas de sangue. Nós o vemos aqui fazendo uma oração longa, a mais longa oração da Bíblia, é esta do capítulo de João 17.
Não quer dizer que nós só temos que fazer orações longas. Não é isto que devemos aprender aqui. Naturalmente Jesus chegou a fazer orações muito mais longas do que esta, e que não foram registradas nas páginas da Bíblia.
Mais nós o encontramos fazendo orações curtas, pedindo algo específico, como quando, por exemplo, ora para que Lázaro seja ressuscitado. Cristo orou sempre. Orou até na cruz, pois ali se dirigiu ao Pai dizendo: perdoa-lhes porque não sabem o que fazem.
Está ali na cruz, orando em favor dos pecadores pedindo perdão por eles, pelos seus crimes e pecados.
Jesus viveu uma vida maravilhosa de oração. Orou no começo do seu ministério. Orou durante o seu ministério. Orou ao fim do seu ministério. Orou na cruz.
Nós devemos aprender com Jesus a prática da oração. Ele não somente ensinou seus discípulos a orar, como também deu mais vivo exemplo de vida de oração.
Ele não somente ensinou seus discípulos a orar, e não somente deu exemplo de vida de oração, mais ordenou que seus discípulos orassem. Não é somente uma necessidade, mais um imperativo para nós que somos crentes.
Orai para que não entreis em tentação, disse Jesus.
Vigiai e orai, diz ele outra vez.
Orai sem cessar. Quanto devemos orar hoje, precisamos também nos colocar diante de Deus em favor do mundo.
João 17.1 Jesus falou assim e, levantando seus olhos ao céu, disse: Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que também o teu Filho te glorifique a ti 
João 17:1
Foi assim que Jesus Cristo começou a sua oração: tendo terminado de falar, e de ensinar os discípulos, de repente volta os olhos para Deus e ora. Podemos notar ligeiramente, que Jesus aqui estava naturalmente em pé, e talvez estivesse até andando, se movimentando, quando orou ao Pai. Isso mostra que posição do corpo não é uma coisa tão importante, varia muito. Podemos estar ajoelhados, ou em pé ou andando. Vemos também que aqui Jesus levantou os olhos para o céu e orou. Mostrando claramente que, podemos orar com os olhos abertos.
Se Jesus orou assim, é claro que também podemos assim orar também. Não quero com isto que de agora em diante devemos orar assim. Não! Mas se estivermos numa circunstancia em que não podemos orar com os olhos fechados, então podemos orar de qualquer forma. Mesmo que de olhos abertos.
A oração do Senhor ou a oração sacerdotal de Jesus trata-se de um dos capítulos mais lindos e mais profundos das escrituras sagradas.
João 17.1-3 Jesus falou assim e, levantando seus olhos ao céu, disse: Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que também o teu Filho te glorifique a ti;
Assim como lhe deste poder sobre toda a carne, para que dê a vida eterna a todos quantos lhe deste.

E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste. 
João 17:1-3
Esta oração de Jesus que abrange todo o capítulo 17, geralmente é dividida da seguinte forma: Jesus orando por ele mesmo (Jo 17.1-5): Jesus orando por seus discípulos (Jo 17. 6-19); Jesus ora pela igreja (Jo 17.20-26).
Jesus ora pela igreja, por aqueles que irão crer.
Nestes primeiros versículos vemos antes de tudo, Jesus Cristo dizendo ao Pai, que a sua hora havia chegado.
Várias vezes Jesus disse que a sua hora não havia chegado ainda. Em várias ocasiões ele chegou a dizer isto. Porém chegou o momento, quando ele não podia dizer m,ais isto, pois diz aqui ao Pai em oração que a sua hora havia chegado.
A vida de Jesus Cristo aqui foi completamente cronometrada. Ele não veio com um programa a executar, e o momento mais importante do seu ministério havia chegado que era o momento quando daria sua vida pelos homens.
João 17.2 Assim como lhe deste poder sobre toda a carne, para que dê a vida eterna a todos quantos lhe deste.

Jesus fala da autoridade que recebeu do Pai, para que pudesse conceder a vida eterna aos homens, a todos aqueles que lhe foram dados pelo Pai a Jesus.
João 17.3 E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste. 
Como vemos aqui que a vida eterna que é a salvação do homem, é obtida, por meio do conhecimento que o homem tem de Deus e de Cristo, que por sua aceitação como Salvador.
Aqui vemos Jesus falando com o Pai, dizendo que Deus é o único Deus verdadeiro, e que ele Jesus Cristo foi enviado pelo Pai.
Esta oração de Jesus é muito importante. É muito importante, porque nela vemos o Filho falando com o Pai. Jesus várias vezes disse que foi enviado pelo Pai. E aqui ele conversa diretamente com o Pai e diz que foi enviado por ele ao mundo.
João 17.4-5 Eu glorifiquei-te na terra, tendo consumado a obra que me deste a fazer.
E agora glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que tinha contigo antes que o mundo existisse. 
João 17:4-5
Jesus fala aqui com o Pai sobre o sacrifício da cruz, como sendo a obra já consumada. E como seria um caso imprescindível que não poderia deixar de ser realizado, e Jesus estava absolutamente decidido a subir ao Gólgota e a morrer na cruz, então ele fala como Pai, como sendo algo já consumado a sua morte. Quando fez esta oração, não restava na sua mente qualquer resquício de dúvida quanto a sua morte na cruz.
E assim falava com o Pai, como sendo um fato já consumado. E então pede ao Pai que lhe restitua a glória que ele tinha antes que tivesse mundo, antes que o mundo houvesse sido criado. Jesus é Deus, e como Deus eterno. Antes lque existisse mundo ele era Deus sem principio e sem fim.
João 17.6-8 Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste; eram teus, e tu mos deste, e guardaram a tua palavra.
Agora já têm conhecido que tudo quanto me deste provém de ti;
Porque lhes dei as palavras que tu me deste; e eles as receberam, e têm verdadeiramente conhecido que saí de ti, e creram que me enviaste. 
João 17:6-8
Vemos aqui como Jesus Cristo ora em favor dos seus discípulos, Jesus disse que aqueles discípulos foram dados pelo Pai a ele. Diz que eles estão guardando a sua palavra. Diz que eles reconhecem agora que todas as coisas que Jesus tinha, havia recebido do Pai, e que agora reconhece que Jesus procedia do Pai, e creram que foi Jesus enviado pelo Pai.
Então o filho de Deus, identifica os seus discípulos crentes, com aqueles que crêem nele verdadeiramente. Há diferença entre esses discípulos e os fariseus em matéria de fé. A diferença era muito grande.
Enquanto os fariseus acham que Jesus era um mero homem mencionando inclusive os seus pais e irmãos colocando a pessoa de Jesus ao lado do homem comum, estes discípulos aqui crêem verdadeiramente que Jesus é o filho de Deus. Que veio do Pai e que as suas obras todas provaram isto.
1 João 4.2
1 João 2.18-26
Vemos assim os fariseus os religiosos judeus da época de Jesus, negando o Filho e negando o Filho negava o Pai.
Enquanto os discípulos aceitaram o filho, e aceitando o filho aceitavam o Pai.
João 17.9 Eu rogo por eles; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus. 
João 17:9
Aqui Jesus diz que não roga pelo mundo mais pelos seus discípulos. Por que Jesus não roga pelos do mundo? Bem, é difícil sabermos perfeitamente. Mais sabemos que o Espírito Santo que foi enviado por ele, e pelo Pai, e que se acha presentemente no mundo, o Espírito Santo é que está convencendo o mundo do pecado, da justiça e do juízo.
O Espírito de Deus é que está fazendo esta obra de persuasão e de conversão no mundo. Mais Jesus ora e roga por seus discípulos.
João 17.10 E todas as minhas coisas são tuas, e as tuas coisas são minhas; e nisso sou glorificado. 
João 17:10
Vemos aqui que as coisas de Deus pertencem a Cristo. e as coisas de Cristo pertencem a Deus. Ele se identifica com estas palavras como sendo o Filho de Deus.
João 17.11 E eu já não estou mais no mundo, mas eles estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, guarda em teu nome aqueles que me deste, para que sejam um, assim como nós. 
João 17:11
A volta de Jesus para o céu, é tida como sendo um fato consumado aqui, da mesma forma como foi no caso anterior, quanto a sua morte na cruz. A morte de Cristo na cruz, como vimos é considerada, como sendo um caso já realizado. E Jesus pede pela união dos seus discípulos. Há vários pedidos de Jesus aqui neste sentido.
E nós vamos observar que a união pela qual Jesus roga aqui é a união entre os verdadeiros crentes. É uma união que só pode ser feita pelo Espírito Santo. E o Espírito de Deus tem unido espiritualmente aqueles que conhecem a Jesus como sendo único e suficiente Salvador.
João 17.12 Estando eu com eles no mundo, guardava-os em teu nome. Tenho guardado aqueles que tu me deste, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que a Escritura se cumprisse. 
João 17:12
Judas que entrou no apostolado sem nunca passar por uma experiência de transformação, sem ter aquela mesma fé, ou convicção de João e de Pedro, assim bem como dos demais apóstolos. Judas era filho da perdição. E foi levado pelo sentimento perversidade quer Judas vendeu a Jesus, e se perdeu.
Não se trata de um apóstolo igual aos outros, que tenha passado pelas mesmas experiências dos outros. Não. Judas sempre foi filho da perdição.
Dentro e fora do colégio apostólico, ele era Judas.
N ao foi Deus quem criou a pessoa de Judas com a tendência e inclinação pecaminosa e criminosa. Porém Deus permitiu que Judas usasse a sua maldade o seu instinto mal, para que traísse Jesus, e entregasse o Filho de Deus nas mãos dos malfeitores para ser crucificado em favor dos pecados do mundo. Deus apenas usou os propósitos maus de Judas, mais não foi Deus quem colocou no coração do apóstolo traidor tais sentimentos. Por isso apesar de Judas ter participado da execução do Filho de Deus, como sacrifício, para salvação da humanidade, Judas participou sem visar este fim, quer dizer a salvação do mundo, ele agiu como criminoso como ladrão.
Assim bem como foram todos aqueles que foram cúmplices da morte de Jesus, como os líderes religiosos, judeus, como Pilatos, Caifás, que fizeram devido à maldade do coração a incredulidade.
Jesus chama Judas aqui de filho da perdição. Nenhum deles ser perdeu exceto o filho da perdição (17.21). Para que se cumprisse a escritura.
João 17.13-16 Mas agora vou para ti, e digo isto no mundo, para que tenham a minha alegria completa em si mesmos.
Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo.
Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal.
Não são do mundo, como eu do mundo não sou. 
João 17:13-16
Jesus diz que vai para junto do Pai. (17.13). E está dizendo aquilo para que o gozo dos seus discípulos seja completo. É o gozo de Cristo neles, para que eles tenham o mesmo gozo em si mesmos. É maravilhoso quando o crente tem o gozo de Cristo completo no coração, mesmo vivendo no mundo. É verdade que no mundo temos aflição, mas o crente já tem aqui na terra o gozo de Cristo no coração.
Esta oração aqui também serve der testemunho diante dos discípulos. Esta oração poderia ser feita dum lugar particularmente sozinho com o Pai. Porém ela está sendo feita no templo, diante dos discípulos e apóstolos, para que eles sintam conforto, para que eles sintam que Jesus está intercedendo por eles.
A oração que Jesus fez junto a tumba de Lázaro também teve objetivo de ensinar algumas lições aos discípulos, porque depois de orar Jesus diz:
João 17.12 Estando eu com eles no mundo, guardava-os em teu nome. Tenho guardado aqueles que tu me deste, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que a Escritura se cumprisse. 
João 17:12
João 17.13-16
Aqui Jesus explica bem a posição do crente no mundo. Não somos do mundo. É a primeira coisa importante que devemos notar. A Bíblia diz que o mundo está posto no maligno (1 Jo 2.13),e existe no mundo a organização de satanás, que tem como lei principal a lei do pecado, a lei da rebelião contra Deus.
O crente não pertence a este mundo de pecado, nem foi ele criado para as coisas materiais. Nós somos criados e preparados para Deus, para a vida de comunhão com Deus. Aqui e na eternidade.
Então nós estamos aqui, mais não somos daqui. Jesus pede ao Pai para que não nos tire deste mundo. O Pai nos concedeu uma missão maravilhosa neste mundo, que é a da evangelização.
Mais Jesus pede que nos livre do mal. O grande perigo que corre a vida do crente neste mundo é o perigo do mal, do pecado da tentação. Jesus não se esquece de orar na sua oração sacerdotal pra que o pai nos livre do mundo.
Jesus diz que nós não somos do mundo, como ele também não é do mundo. Ele nos coloca assim na mesma posição dele, no sentido de que nem ele e nem nós pertencemos ao mundo. Pertencemos ao reino de Deus, não ao reino deste mundo que jaz no maligno.
João 17.17 Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade. 
João 17:17.
E com esta oração é maravilhosa para nós. Nós podemos ser santificados lendo a palavra de Deus. Devemos agradecer a
Deus a bênção de possuirmos uma Bíblia a palavra de Deus. Não temos de esperar ou de ficar esperando que alguma coisa aconteça na vida da gente que nos torne assim santos, por uma forma mágica por meio de um estalo re então já estaríamos santificados. Não! Jesus aqui ora: santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade.
Temos que pegar a nossa Bíblia todos os dias temos de ler as páginas santas, que nos ensinam as verdades santas da palavra de Deus, a respeito dos nossos deveres diante de Deus, e dos homens, e a respeito do nosso viver pessoal, particular e público.
E a palavra de Deus, não somente apontam os nossos deveres e o nosso modo de ser, mais também proporciona a limpeza dos nossos corações, e nos dá o poder de viver santamente.
João 17.18 Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo. 
João 17:18
Envia-nos ao mundo, da mesma forma como ele foi enviado pelo Pai ao mundo. Então temos uma grande missão no mundo, pois somos enviados por Jesus ao mundo com o objetivo com o qual Jesus foi enviado ao mundo, que é de salvar o mundo por meio da pregação, por meio do plano divino redentor.
João 17.19 E por eles me santifico a mim mesmo, para que também eles sejam santificados na verdade. 
João 17:19
Quando Jesus diz aqui que se santifica a si mesmo, quer dizer que ele se entrega a si mesmo para morrer na cruz. Jesus fala aqui da sua dedicação da sua entrega total a missão pela a qual veio a este mundo que foi a de morrer na cruz em favor dos nossos pecados. Ele volta a dizer que somos santificados na verdade que a sua palavra. As sagradas letras
João 17.20 E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela sua palavra hão de crer em mim 
João 17:20
Aqui Jesus ora não somente por seus discípulos ma por aqueles que hão de se converter por intermédio da pregação dos seus discípulos.
 É muito interessante notarmos como Jesus está interessado nos crentes naqueles que tem em seu nome. Até mesmo por aqueles que ainda vão crer, Jesus ora.
Será que nós que somos crentes, estamos interessados assim naqueles que vão crer? Aqui vemos o interesse de Jesus, naqueles que vão crer. Aqui vemos o interesse de Jesus porque ele não somente pregou o Evangelho. Não somente orou para aqueles que vão de crer mais ele morreu na cruz e dá a sua vida por estes que vão crer, por mais pele morreu na cruz e da a sua vida por estes que vão crer, e por quantos que desejarem a salvação em Cristo. E ainda assim Jesus envia os discípulos para que anunciem as o as novas de salvação. O grande interesse de Jesus é a salvação das almas.
Ele quer salvar as almas, ele veio ao mundo justamente com esta missão, e nos envia ao mundo com esta missão. É por intermédio da palavra dos discípulos que os homens crer54ão em Cristo. E é por estes que ainda vão crer que Jesus ora.
João 17.21-23 Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste.
E eu dei-lhes a glória que a mim me deste, para que sejam um, como nós somos um.
Eu neles, e tu em mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que tu me enviaste a mim, e que os tens amado a eles como me tens amado a mim. 
João 17:21-23
Que linda prece esta de Jesus aqui. Está orando pela união dos crentes. Pela união de todos aqueles que são salvos, que são redimidos pelo seu sangue. Esta palavra da oração sacerdotal de Jesus tem sido interpretada pelos homens muitas vezes de uma maneira errônea. Quando deixam de lado o sentido espiritual das palavras do Salvador.
Jamais poderemos entender estas palavras de Jesus Cristo der outra forma. Se você não entendeu até aqui o que queremos dizer para interpretar esta passagem,, vamos explicar:
Por exemplo, há religioso que lê esta oração e quando chega aqui nesses versículos 17.21-23, onde Jesus pede pela união espiritual da sua igreja, então esses religiosos pensam logo em ser ter uma igreja no mundo que seja só, e sob o seu domínio, o domínio dessa super-igreja, encontram-se todos os  cristãos. Isto é que muitos pensam que lêem estas palavras de Jesus. Entendem que Jesus está pedindo aqui uma super-igreja, que tenha o poder e o domínio sobre todos os cristãos.
Ora certamente não é isto que Jesus está pedindo aqui, porque como podemos ver jesus está falando de união espiritual.
Podemos ter uma grande organização, uma grande potencia religiosa no mundo, sem, no entanto haver união espiritual nela. Uma organização cristã é uma coisa. E uma união cristã, é outra.
É o que Jesus está falando aqui de unidade ou união espiritual, ele diz assim: como és tu ó pai em mim, e eu em ti, para que seja um como nós o somos. Eu neles e tu em mim.
Então trata de uma união espiritual. Já que uma unidade de organização jamais representaria esta união que há em Cristo e no Pai. Que é uma união espiritual. União entre os crentes é o que pede Jesus. União entre os salvos por Jesus. União que é promovida pelo próprio Espírito de Deus. Esta união espiritual é necessária, para que o mundo possa crer em Cristo e conhecer que ele foi enviado ao mundo pelo Pai.
João 17.24 Pai, aqueles que me deste quero que, onde eu estiver, também eles estejam comigo, para que vejam a minha glória que me deste; porque tu me amaste antes da fundação do mundo. 
João 17:24
São belas palavras de Jesus aqui. Já vimos que ele pede que a sua glória primitiva aquela glória de antes da fundação do mundo, lhe seja restituída. E agora ele quer mostrar a sua glória aos seus discípulos, aqueles que são salvos pela fé no seu nome.
João 17.25-26 Pai justo, o mundo não te conheceu; mas eu te conheci, e estes conheceram que tu me enviaste a mim.
E eu lhes fiz conhecer o teu nome, e lho farei conhecer mais, para que o amor com que me tens amado esteja neles, e eu neles estej 
João 17:25-26
Jesus diz aqui que conhece o Pai, e que foi enviado pelo Pai, para este mundo. E aqui no mundo, ele revelou o Pai aos seus discípulos e o revelará ainda mais para que o amor que o Pai tem por ele Jesus tenha também por eles pelos seus discípulos.
Quanta profundeza nesta oração. E passamos por cima, superficialmente.


Nenhum comentário:

Postar um comentário